[ Pobierz całość w formacie PDF ]

viar o que entristece. E a vida que vale a
pena? Só pode ser uma. A sua. Esta mesma
que voc est vivendo desde que nasceu. Mas
com tudo. Seus encontros, certamente. Mas
tambm seus sonhos, suas iluses, seus
medos e esperanas e, por que no, suas filo-
sofias tambm.
Bibliografia
AGOSTINHO. Dilogo sobre a felicidade.
Lisboa: Ed. 70, 1988 [Trad. de Mrio A.S. de
Carvalho].
ARISTTELES. tica a Nicmacos. Braslia:
UnB, 2001 [Trad. de Mrio G. Cury].
______. Fsica  Livro II. Campinas: IFCH/
Unicamp, 1999 [Trad. de Lucas Angioni].
______. A poltica. So Paulo: Martins
Fontes, 1998 [Trad. de Roberto Ferreira].
BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da lin-
guagem. So Paulo: Hucitec, 2006.
BENTHAM, J. An Introduction to the Prin-
ciples of Morals and Legislation. Londres:
Batoche, 2000.
438/452
Bblia Sagrada  Almeida. Barueri: So-
ciedade Bblica do Brasil, 2003 [Revista e
corrigida].
BOURDIEU, P. & SAINT-MARTIN, M. As
categorias do juzo professoral. In: CATANI,
M. (org.). Escritos de Educao. Petrópolis:
Vozes, 2003.
Confisso de F de Westminster [Disponvel
no portal da Igreja Presbiteriana do Brasil:
http://www.executivaipb.com.br/Docu-
mentos/confiss%E3o% 20de%20f%E9.pdf 
Acesso em 04/01/10].
DURKHEIM, mile. Le suicide. Paris: PUF,
1986.
PICURE. Lettre Mnce. Paris: Hatier,
2007 [Trad. de Pierre Pnisson].
FOUCAULT, M. A verdade e as formas
jurdicas. Rio de Janeiro: Nau, 2003 [Trad.
de Roberto Cabral et al.].
439/452
HOBBES, T. Do cidado. So Paulo: Martins
Fontes, 2002 [Trad. de Renato Janine
Ribeiro].
HOMERO. Odisseia. So Paulo: Ars Potica/
Edusp, 2000 [Trad. de Manuel Mendes].
KANT, I. Fondements de La mtaphysique
des Moeurs. Paris: Delagrave, 1976 [Trad. de
Victor Delbos].
NIETZSCHE, F. Crepsculo dos dolos. So
Paulo: Companhia das Letras, 2006 [Trad.
de Paulo C. Souza].
______. Le gai savoir. Paris: GF Flammari-
on, 2000.
PLATO. Mnon. Rio de Janeiro/So Paulo:
PUC-Rio/Loyola, 2001 [Trad. de Maura
Iglesias].
______. Lsis. Braslia: UnB, 1995 [Trad. de
Francisco de Oliveira].
PLATON. Le banquet. Paris: GF Flammari-
on, 2007.
440/452
______. La rpublique. Paris: Gallimard,
1993.
SNECA. Carta XCII a Luclio. In: SNECA.
As relaes humanas. So Paulo: Landy,
2002.
______. Sobre a providncia divina. So
Paulo: Nova Alexandria, 2000 [Trad. de Ri-
cardo da Cunha Lima].
______. De la cólera [Da Ira]. Madri: Ali-
anza, 1986 [Trad. de Enrique O. Sobrino].
______.  De la vida bienaventurada .
Tratados filosóficos. Buenos Aires: El
Ateneo, 1952.
SPINOZA, B. tica. Belo Horizonte:
Autntica, 2007 [Trad. de Tomaz Tadeu].
STUART MILL, J. Utilitarismo. So Paulo:
Martins Fontes, 2000.
WEBER, M. A tica protestante e o
 esprito do capitalismo [Trad. de Max
441/452
Weber. So Paulo: Companhia das Letras,
2004].
Textos de capa
Contracapa
Quando voc diz que o mundo no sai da
frente, que a vida no est pronta, que da
vida no tiramos frias, que no h gabarito
para a vida, que  independentemente da
escolha  sempre pairar a suspeita do erro,
o arrependimento...
Professor, voc poderia oferecer um curso
 só para os interessados  sobre os critrios
da vida boa. Seus fundamentos e suas fragil-
idades. possvel?
***
Como negar reflexo a um aluno que quer
aprender? Aceitei alertando para minhas
limitaes. Preparadas as aulas, o livro sua
443/452
adaptao escrita. Destinado a todo mundo.
Todo mundo que vive, e j se deu conta de
que no muito fcil viver bem. Adequado
aos no iniciados neste tipo de reflexo. O
livro pega voc pela mo e pretende no lar-
gar. Adequado tambm aos iniciados, que j
conhecem suas ideias centrais.
Querido leitor. Proponho uma conversa.
Sobre a vida.
Sobre a melhor maneira de viver.
Orelhas
Antes de ser livro, a vida que vale a pena
foi curso. Por isso, esse jeito meio falado de
escrever.
Seu contedo parte de uma inquietao. A
denncia das solues facilitadoras da vida.
Uma verdadeira sociologia da felicidade que
apresenta os movimentos de uma batalha
sem fim pela definio das condies
444/452
legtimas da vida boa. Mas esta sociologia
das reflexes sobre a vida só a origem deste
trabalho. Coube-nos, na sequncia, a funda-
mentao teórica desta denncia. Para isto,
recorremos a alguns pensadores consagra-
dos. Que fizeram escola. E que tambm deix-
aram traos sobre o senso comum, at hoje.
Assim, alguns textos clssicos foram sele-
cionados e dispostos em boxes, para que o
leitor possa identific-los mais rapidamente.
Escrevemos para todos aqueles que j
descobriram que a soberania para deliberar
sobre a própria vida  com todos os riscos  [ Pobierz całość w formacie PDF ]